Archive

Archive for the ‘Ciclismo’ Category

Ciclista Belga Dimitry de Fauw se suicida por sentimento de culpa

novembro 6, 2009 Deixe um comentário

defauw--620x300

O corredor belga Dimitry de Fauw de apenas 28 anos suicidou-se hoje. O ciclista era especialista em pista, apesar de já ter competido em equipes de estrada, como a Quick Step e a Chocolate Jacques. Dimitry de Fauw ganhou protagonismo, há dois anos, quando colidiu com o espanhol Isaac Galvez, no velódromo de Gante, num acidente que provocou a morte do corredor castelhano. Dimitry de Fauw ficou bastante abalado com o fato, sofrendo de depressões desde então. Apesar da doença psicológica que o atingiu, mantinha-se competindo.

Categorias:Ciclismo

Ciclismo; Alberto Contador ganha Vélo d’Or


O espanhol Alberto Contador ganhou hoje , pela terceira vez consecutiva, a Velo d’Or, prémio para o melhor ciclista do Mundo da temporada. Depois de ganhar o Ranking Mundial, o único corredor em atividade que já conquistou o Tour, o Giro e a Vuelta, foi o mais votado no troféu instituído pela revista francesa Vélo Magazine.

A respeito da possivel transferencia para a equipe do portugues Rui costa:“Todos os dias saem notícias diferentes nos jornais e nem todas estão corretas. Continuo tranquilo e estudarei o meu futuro com os meus agentes. É verdade que, a cada dia que passa, há mais probabilidade de rescindir o contrato com a Astana. Saindo espero encontrar outra equipe, uma formação sólida, que esteja cem por cento interessada em mim”, frisou Alberto Contador. Apesar de reconhecer que a negociação com a Caisse D’Epargne “não é fácil”, o espanhol sublinhou que aquele coletivo “é uma grande opção. Podemos fazer uma grande equipe. O patrocinador é conhecido e tem interesse em que cheguemos a um acordo”. Durante a próxima semana haverá novidades, admitiu o vencedor da Volta ao Algarve de 2009.

Categorias:Ciclismo

Ciclismo; Divulgado o trajeto do Giro d’Italia 2010

A 93ª edição do Giro d’Italia, que vai disputar-se de 8 a 30 de Maio de 2010, inclui quatro contra-relógios, mas, paradoxalmente, poucas oportunidades para os contra-relogistas fazerem a diferença. A prova começa em Amesterdam, Holanda, com um prólogo de 8,3 quilómetros, uma distância demasiado curta para os especialistas brilharem. A quarta tirada é um crono de 32,5 quilómetros, só que coletivo. O terceiro exercício individual da competição chega na 16ª etapa, mas ajusta-se aos trepadores, pois trata-se de uma crono-escalada a Plan de Corones. No último dia, Verona recebe o quarto contra-relógio, apenas 15,3 quilómetros. Tudo somado, os especialistas na luta contra o cronómetro têm por sua conta, risco e talento a primeira e a última etapas, num total de 23,7 quilómetros.

Os trepadores terão um percurso mais ao seu estilo, com a crono-escalada mais três chegadas em alto, além de duas outras jornadas com grandes dificuldades montanhosas. A primeira chegada em altitude acontece na oitava ligação, que termina na escalada a Terminillo, uma dificuldade com 16,1 quilómetros de extensão. A 13ª tirada homenageia o malogrado Marco Pantani, terminando na sua terra natal, Cesenatico. A grande dificuldade deste dia dista 41,6 quilómetros da chegada e encontra-se na subida a Grappa, que tem seções de gravilha.

O mítico monte Zoncolan acolhe o final dos 218 quilómetros da 15ª etapa. Vai ser, por certo, uma jornada épica, com os corredores que terao de enfrentar verdadeiros muros de 18 e de 22 por cento numa escalada para a meta que tem uma inclinação média de 11,9 por cento. Segue-se um dia de descanso e logo depois a crono-escalada de 12,9 quilómetros para Plan de Corones.

Antes do contra-relógio final, os trepadores poderão mostrar-se ainda na 19ª tirada, que passa no Mortirolo, a 32,6 mil metros da chegada a Aprica, assim como na 20ª, com meta em montanha, em Ponte di Legno Tonale.

Outra tirada que merece destaque é a sétima. São 215 quilómetros entre Carrara e Montalcino, que incluem 15 quilómetros em troços de gravilha por onde costuma passar a clássica Monte Paschi Eroica.

Etapa a etapa:
1ª etapa – Amsterdam – Amsterdam (CRI) 8,4 km
2ª etapa – Amsterdam – Utrecht 209 km
3ª etapa – Amsterdam – Middelburg 209 km
descanso
4ª etapa – Savigliano – Cuneo (CRE) 32,5 km
5ª etapa – Novara – Novi Ligure 168 km
6ª etapa – Fidenza – Carrara – 166 km
7ª etapa – Carrara – Montalcino 215 km
8ª etapa – Chianciano Terme – Terminillo 189 km
9ª etapa – Frosinone – Cava dei Tirreni 188 km
10ª etapa – Avelino – Bitonto 220 km
11ª etapa – Lucera – L’Aquila 256 km
12ª etapa – Città Sant’Angelo – Porto Recanati 191 km
13ª etapa – Porto Recanati – Cesenatico 222 km
14ª etapa – Ferrara – Asolo 201 km
15ª etapa – Mestre – Monte Zoncolan 218 km
descanso
16ª etapa – S. Vigilio Marebbe – Plan de Corones (CRI) 12,9 km
17ª etapa – Brunico – Pejo Terme 173 km
18ª etapa – Levico Terme – Brescia 151 km
19ª etapa – Brescia – Aprica 195 km
20ª etapa – Bormio – Ponte di Legno Tonale 178 km
21ª etapa – Verona – Verona (CRI) 15,3 km
Total km 3.418,1

Categorias:Ciclismo

Ciclismo: Divulgado o trajeto do "Tour de France 2010"

Foram divulgados hoje os dados da 97ª edição da Volta a França(Tour de France),foi apresentada esta manhã e serà realizada de 3 a 25 de Julho de 2010. O pelotão vai enfrentar um prólogo e 20 etapas, ao longo de cerca de 3600 quilómetros. Há três chegadas em alto, uma etapa com várias seções de “pavés”, um prólogo e um contra-relógio individual. O “crono” por equipes volta a ser descartado, depois de ter regressado ao planejamento em 2009. Numa aposta internacional que vem sendo seguida pelos organizadores das grandes corridas, o Tour começa em Roterdam,Holanda, e atravessa a Bélgica, antes de entrar em território Frances, apenas no quarto dia de competição.

Aqueles que não gostaram da edição de 2009 da Volta a França, devido à grande quantidade de etapas de transição, sem dificuldades montanhosas, manterão, certamente, as críticas no ano que vem. A organização da corrida parece continuar sensível aos argumentos dos que pedem provas menos duras para diminuir a tentação do recurso à dopagem, apesar de em 2010 haver uma melhor distribuição das montanhas e mais dureza do que em 2009. Quem esfrega as mãos de contente é Mark Cavendish e os seus rivais, a quem não faltarão oportunidades para brilharem, embora a manutenção da ausência de bonificações possa desagradar aos sprinters. Já os contra-relogistas não têm grandes motivos para sorrir, pois são aqueles com menos oportunidades para darem “nas vistas”: do seu jeito têm apenas o prólogo de oito quilómetros e o exercício individual de 51 mil metros, na véspera do final da competição

O Tour aposta em etapas que não são de montanha nem de luta contra o cronómetro para prender a atenção midiática e dos adeptos. Por isso, a segunda etapa atravessa território habitualmente percorrido pelas clássicas das Ardenas. Mais importante ainda, a terceira tirada marca o regresso do pavé ao traçado da Volta a França, algo que não acontecia desde 2004. As dificuldades em empedrado serão, todavia, maiores do que nesse ano. É preciso voltar para em 1985 para encontrar uma edição da prova com mais de 10 quilómetros de pavés. Em 2010 serão 13,2 quilómetros na mesma etapa, distribuídos por sete setores, o último dos quais a cerca de 10 quilómetros da meta, instalada perto do Bosque de Arenberg, ponto mítico do Paris-Roubaix.

Mesmo que os amantes do sofrimento dos corredores nos colossos montanhosos possam sentir-se insatisfeitos com o percurso, a verdade é que a comemoração do centenário da introdução dos Pirenéus no Tour traz algumas surpresas importantes. A 16ª etapa, ainda que sem chegada a subir, leva o pelotão a passar por Peyrescourde, col d’Aspin, Tourmalet e Aubisque. No dia seguinte a meta está colocada no Tourmalet, que sucede a outras duas ascensões, col de Marie-Blanque e col du Soulor.

Etapa a etapa:

Prólogo Roterdam > Roterdam 8 km (C/R)
etapa Roterdam > Bruxelas 224 km
etapa Bruxelas > Spa 192 km
etapa Wanze > Arenberg Porte du Hainaut 207 km
etapa Cambrai > Reims 150 km
etapa Épernay > Montargis 185 km
etapa Montargis > Gueugnon 225 km
etapa Tournus > Station des Rousses 161 km
etapa Station des Rousses > Morzine-Avoriaz 189 km
Descanso
etapa Morzine-Avoriaz > Saint-Jean-de-Maurienne 204 km
10ª etapa Chambéry > Gap 179 km
11ª Sisteron > Bourg-lès-Valence 180 km
12ª etapa Bourg-de-Péage > Mende 210 km
13ª etapa Rodez > Revel 195 km
14ª etapa Revel > Ax-3 Domaines 184 km
15ª etapa Pamiers > Bagnères-de-Luchon 187 km
16ª etapa Bagnères-de-Luchon > Pau 196 km
Descanso
17ª etapa Pau > Col du Tourmalet 174 km
18ª etapa Salies-de-Béarn > Bordeaux 190 km
19ª etapa Bordeaux > Pauillac 51 km (C/R)
20ª etapa Longjumeau > Paris Campos Elíseos 105 km

Categorias:Ciclismo